JOMO: a moda agora é se desconectar

A nova tendência está mudando o comportamento de muita gente pelo mundo

Você já ouviu falar em JOMO? Trata-se de uma sigla em língua inglesa do termo joy of missing out, que traduzida significa “prazer em ficar por fora”.

Na era da conectividade, do tempo que gastamos nas redes sociais, o JOMO surgiu na contramão de tudo isso, fazendo com que percebamos que a vida off-line é mais leve, mais real.

Saiba que é cada vez maior o número de pessoas que está se redescobrindo e aproveitando a própria vida, em vez de acompanhar a dos outros virtualmente (e ter a sua acompanhada também).

Redes sociais X comportamento

As redes sociais podem ser a causa de reações preocupantes, como o excesso de comparação e competição social, aumento de níveis de ansiedade e até o surgimento da depressão. Observando essas mudanças comportamentais ligadas à internet, a canadense Christina Crook abordou em seu livro The Joy Of Missing Out: Finding Balance in a Wired World (disponível na Amazon, em inglês) os aspectos que a vida tecnologicamente focada traz. A autora sugere que há inúmeras oportunidades para aqueles que desejam cultivar uma existência mais rica off-line. Em sua obra, ela nos convida a explorar um novo modo de vida e a enxergar além do nosso estado constante de conexão.

No Brasil, a especialista em psicoterapia cognitivo-comportamental, Dora Góes, levanta um apontamento importante sobre ansiedade e depressão causadas pelo uso excessivo das redes: “O usuário quer saber o que vai acontecer, fica mais acelerado e impaciente. O problema não é o conteúdo da foto ou do post, é a expectativa por uma realidade que não é a sua naquele momento. ”

Reflexão sobre a satisfação superficial

Quantas vezes vimos fotos de pessoas felizes na praia, enquanto estávamos confinados em casa ou sob o ar-condicionado do escritório e pensamos: “minha vida não é tão legal assim”.

Perceba que o que acontece online nada mais é do que uma seleção dos momentos mais felizes das pessoas, e não a realidade do cotidiano. E, pensando nisso, é essencial entendermos que se despendemos de um certo tempo para pular de foto em foto na timeline, é porque estamos deixando de fazer algo interessante em nossas vidas.

Dora, que também é colaboradora do Programa para Dependentes de Internet do Programa Ambulatorial dos Transtornos do Impulso (PRO-AMITI) da USP, pondera que “o aumento do consumo está associado à solidão e à insegurança. ”

O uso em excesso também é o causador de problemas de origem física, não apenas emocional. Um dado preocupante mostra que meninas entre 15 e 18 anos, que acessam até dez vezes por dia, têm desenvolvido insatisfações com o próprio corpo. Essa informação mostra que elas têm 4,7 mais chances de se sentirem assim do que meninas que usam aplicativos mensalmente.

Uso da internet de forma mais inteligente

É completamente normal ver alguma novidade ou um conteúdo interessante publicado no Instagram ou Facebook, por exemplo. Não há problemas em ler notícias, se informar sobre o trânsito, pagar contas online e até parabenizar um amigo na rede – desde que isso seja feito de maneira inteligente em seu tempo livre.

O ideal do JOMO é justamente fazer uma reflexão sobre os nossos hábitos, entender o nosso próprio comportamento frente à conectividade. É necessário repensar sobre o tempo que despendemos, buscar um equilíbrio entre os dois mundos e experimentar viver a nossa realidade de forma mais leve e desconectada.

 

 

 

 

Tags: conectividade desconectar excesso internet JOMO redes sociais

Veja mais