Conheça o Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor

Plataforma protege o cidadão e garante transparência no relacionamento entre as empresas e seus clientes

O Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor (Sindec) é uma plataforma nacional que reúne os registros de todas as demandas de consumidores que recorrem ao Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) em cada estado brasileiro. O Sindec é ligado ao Ministério da Justiça e Segurança Pública e serve tanto para integrar e sistematizar as ações dos Procons quanto para fomentar a criação de políticas públicas que protegem os consumidores brasileiros. Além disso, o sistema incentiva o aprimoramento do atendimento prestado pelas instituições brasileiras.

Todos os dias, em todas as cidades brasileiras, cidadãos passam por conflitos com fornecedores e prestadores de serviço. Quando isso acontece, o cidadão tem direito de acionar o Procon para registrar uma reclamação ou mesmo solicitar informações. Cada vez que uma solicitação é registrada, um processo é aberto por servidores, que buscam intermediar uma resolução de maneira rápida e eficiente, para que haja o menor número possível de danos ao consumidor.

No Sindec, essas queixas são registradas, categorizadas por Unidade da Federação e pela empresa que recebe a queixa; e acompanhadas das instruções de atendimento e os processos de resolução.  O acesso a esses dados está disponível para qualquer usuário no endereço https://sindecnacional.mj.gov.br/.

Lá, é possível ter acesso a um número grande e diverso de informações, representadas por mapas, tabelas, porcentagens e gráficos divididos pelo período, local e empresas reclamadas. Entre os dados disponíveis, é possível verificar informações sobre atendimento, como o índice de resolução dos problemas, as empresas mais reclamadas, os assuntos mais reclamados e, também, sobre o perfil do consumidor, como o gênero e faixa etária.

Além de servir como base de consulta para os consumidores, o Sindec é utilizado pelas instituições do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor (SDC), e por órgãos de controle, agências reguladoras, veículos de comunicação, além de pesquisadores e operadores do direito.