5 erros do investidor no Tesouro Direto

Saiba como evitá-los e como ter mais rentabilidade

Mesmo com o futuro assegurado pela previdência complementar, é importante ter mais uma fonte de investimento. Para quem procura por uma alternativa rentável e com baixo risco, o Tesouro Direto tem se tornado uma das melhores opções, muito popular entre investidores conservadores.

Esse tipo de investimento oferece a facilidade de aplicação, diversidade de títulos com vencimentos variados e o valor mínimo de aproximadamente R$30,00. Ele é vinculado ao Tesouro Selic, Tesouro prefixado e Tesouro IPCA – taxas básicas, juro fixo e variação da inflação, respectivamente.

Ainda que o Tesouro Direto ofereça rentabilidade maior do que a da poupança, alguns investidores cometem erros que podem afetar nos ganhos no futuro. É importante que se tenha planejamento financeiro e atenção ao escolher investir nessa modalidade.

Para não cometer equívocos, confira os 5 principais erros de quem investe no Tesouro:

1. Não verificar custos e taxas

É bastante comum que corretoras e bancos ofereçam a isenção de taxas, para cobrar a mais no futuro. Não caia nessa! Fique atento e pesquise muito antes de assinar o contrato. Alguns sites são referências para futuros clientes, disponibilizando os valores das taxas que serão cobradas.

2. Mudar de títulos

Um dos erros mais comuns é trocar de título pensando em ter resultados imediatos, com remuneração maior do que a prevista. Essa ação é tipicamente característica de investidor iniciante que quer ter lucros rapidamente. É fundamental saber que existem oscilações de valores nos títulos públicos com prazos mais longos de vencimento. Por isso, é preciso acompanhar a movimentação, uma vez que o título adquirido pode ter um valor menor do que o outro.

3. Resgatar o título antes de vencer

Quem resgata geralmente não possui reservas financeiras para imprevistos. Antecipar o resgate pode afetar a rentabilidade. A solução é somar os seus gastos mensais e separar o equivalente a seis meses de custo de vida.

4. Não se atentar ao prazo de investimento

Muitos perdem o prazo de investimento, isto é, o período que devem deixar o dinheiro da aplicação. Quanto mais distante o vencimento do papel, melhores são as taxas oferecidas, sendo esta a regra geral. Para evitar prejuízos, é importante avaliar como está a sua vida financeira e qual é o valor que você pode investir.

5. Não cuidar de suas finanças

Esse é um dos erros que não se pode cometer. Antes de investir, seja no Tesouro ou em qualquer outra modalidade, é imprescindível fazer um planejamento financeiro. Divida a sua renda em outros investimentos, isso evita que os gastos do dia a dia ou os imprevistos tomem a liquidez de sua aplicação. Lembre-se: no Tesouro Direto, se você escolher somente títulos de longo prazo, mas precisar de reserva no curto prazo, poderá ter muitos prejuízos na sua rentabilidade.

Ao optar por fazer investimentos, diversifique as aplicações, formando reservas de liquidez. Dessa forma, além de obter mais uma renda futura, você terá os seus objetivos concretizados e mais tranquilidade daqui para frente.

Tags: aplicações finanças investimentos rentabilidade tesouro direto

Veja mais